quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

UMA GOTA DE ÁGUA


Você já parou, alguma vez, para observar uma gota d`água? Sim, uma pequena gota d`água se equilibrando na ponta de um frágil raminho... Com graciosidade a gotícula desafia a lei da gravidade, se balançando nas bordas das folhas ou nas pétalas de uma flor. São gotas minúsculas, que enfeitam a natureza nas manhãs orvalhadas ou permanecem como pequenos diamantes líquidos, depois que a chuva se vai. É por isso que um bom observador dirá que a vida seria diferente se não existissem gotas de água para orvalhar a relva e amenizar a secura do solo. Madre Tereza de Calcutá foi uma dessas almas sensíveis. Um dia, um jornalista que a entrevistava disse-lhe que, embora admirasse o seu trabalho junto aos pobres e enfermos, considerava que o que ela fazia, diante da imensa necessidade, era como uma gota d`água no oceano. E aquela pequena sábia-mulher, lhe respondeu: "sim, meu filho, mas sem essa gota d`água o oceano seria menor." Sem dúvida uma resposta simples e extremamente profunda. Pois sem os pequenos gestos que significam muito, a vida não seria tão bela... Um aperto de mão, em meio à correria do dia-a-dia... Um minuto de atenção a alguém que precisa de ouvidos atentos, para que não caia nas malhas do desespero... Uma palavra de esperança a alguém que está à beira do abismo. Um sorriso gentil a quem perdeu o sentido da vida. Uma pequena gentileza diante de quem está preso nas armadilhas da ira. O silêncio, frente à ignorância disfarçada de ciência... A tolerância com quem perdeu o equilíbrio. Um olhar de ternura para quem pena na amargura. Pode-se dizer que tudo isso são apenas gotas d`água que se perdem no imenso oceano, mas são essas pequenas gotas que fazem a diferença para quem as recebe. Sem as atitudes, aparentemente insignificantes, que dentro da nossa pequenez conseguimos realizar, a humanidade seria triste e a vida perderia o sentido. Um abraço afetuoso, nos momentos em que a dor nos visita a alma... Um olhar compassivo, quando nos extraviamos do caminho reto... Um incentivo sincero de alguém que deseja nos ver feliz, quando pensamos que o fracasso seria inevitável... Todas essas são atitudes que embelezam a vida. E, se um dia alguém lhe disser que esses pequenos gestos são como gotas d`água no oceano, responda, como madre Tereza de Calcutá, que sem essa gota o oceano de amor seria menor. E tenha certeza disso, pois as coisas grandiosas são compostas de minúsculas partículas. Pense nisso! Sem a sua quota de honestidade, o oceano da nobreza seria menor. Sem as gotas de sua sinceridade, o mar das virtudes seria menor. Sem o seu contributo de caridade, o universo do amor fraternal seria consideravelmente menor. Pense nisso! E jamais acredite naqueles que desconhecem a importância de um pequeno tijolo na construção de um edifício. Lembre-se da minúscula gota d`água, que delicadamente se equilibra na ponta do raminho, só para tornar a natureza mais bela e mais romântica, à espera de alguém que a possa contemplar. E, por fim, jamais esqueça que são essas mesmas pequenas e frágeis gotas d`água que, com insistência e perseverança conseguem esculpir a mais sólida rocha. Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita.

JUSTIÇA E EQUILÍBRIO


Em determinada passagem do evangelho, o apóstolo Paulo afirma:
"Pois aquilo que o homem semear, isto também ceifará".
Habitualmente se entende que somente após a vida terrestre
faremos um balanço de nossas ações, recebendo a justa recompensa, seja paz
ou desequilíbrio.
Ocorre que não é necessário morrer para perceber a atuação da
lei das compensações.
Reparemos o cenário da luta vulgar na Terra.
Há homens que são indiferentes às dores do próximo.
Por seu turno, eles também recebem a indiferença quanto às dores
que experimentam.
Muitos optam pelo afastamento do convívio social.
Para esses a solidão deprimente é a resposta ao mundo.
Alguns se permitem utilizar extrema severidade no trato com o
semelhante.
Mas também são julgados pelos outros com rigor e aspereza.
Há quem pratique, em sociedade ou em família, a hostilidade e a
aversão.
Naturalmente encontra entre vizinhos e parentes primordialmente
antipatia e desconfiança.
Entretanto, muitos optam por demonstrar carinho e respeito,
mesmo por desconhecidos.
Esses gestos amigos granjeiam o concurso fraterno até de grupos
anônimos que a todos cercam.
Pequeninas sementeiras de bondade geram abençoadas fontes de
alegria.
O trabalho bem vivido produz o tesouro da competência.
Atitudes de compreensão e gentileza estabelecem solidariedade e
respeito, junto a nós.
Otimismo e esperança, nobreza de caráter e puras intenções
atraem preciosas oportunidades de serviço, em nosso favor.
Todo dia é tempo de semear.
Todo dia é tempo de colher.
Não é necessário atravessar as portas do túmulo para encontrar a
justiça, face a face.
A justiça revela-se no cotidiano, nos princípios de causa e
efeito, em todos os instantes de nossa vida.
A justiça divina é, em última instância, uma lei de harmonia.
Deus criou o mundo com base em leis perfeitas, que regem a vida
e a evolução das criaturas.
A energia que lançamos no mundo, seja de paz ou de desarmonia,
nos pertence.
Ela até pode afetar momentaneamente os outros, mas sempre volta
à origem, para quem a emitiu.
Esse raciocínio evidencia o equívoco de pretender que Deus
castiga suas criaturas.
É inconcebível imaginar Deus no papel de carrasco, sondando os
atos de cada um de seus filhos, para puni-los ao menor desvio.
Ele nos dá livre-arbítrio, a fim de que cresçamos em
experiência, discernimento e compreensão.
Mas também nos dá responsabilidade por nossos atos, permitindo
que experimentemos as conseqüências de todos eles.
Assim, se causamos desequilíbrio no universo, fazendo mal a um
semelhante, devemos restabelecer o equilíbrio original, reparando as
conseqüências.
Nesse contexto, está inteiramente em nossas mãos optar pela paz
ou pela discórdia, pela saúde ou pela doença.
Se tudo o que ofertamos ao mundo a nós retorna, é questão de bom
senso adotarmos um padrão de conduta generoso e nobre.
A sementeira de ontem já foi lançada e hoje colhemos os seus
frutos.
Não há como retornar sobre os próprios passos e desfazer o
passado.
Mas o amanhã está inteiro por construir.
Optemos firmemente pelo bem, seguindo os exemplos do cristo.
Bem rápido a vida nos dará frutos de paz e amor.
Afinal, como disse o apóstolo, "aquilo que o homem semear, isto
também ceifará".

capítulo XXXIV do livro
Segue-me!..., do Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Defenda-se!


Não converta seus ouvidos num paiol de boatos.
A intriga é uma víbora que se aninhará em sua alma.
Não transforme seus olhos em óculos da maledicência.
As imagens que você corromper viverão corruptas na tela se sua mente.
Não Faça de suas mãos lanças para lutar sem proveito.
Use-as na sementeira do bem.
Não menospreze sua faculdades criadoras, centralizando-as nos prazeres fáceis.
Você responderá pelo que fizer delas.
Não condene sua imaginação às excitações permanentes.
Suas criações inferiores atormentarão seu mundo íntimo.
Não conduza seus sentimentos à volúpia de sofrer.
Ensine-os a gozar o prazer de servir.
Não procure o caminho do paraíso, indicando aos outros a estrada para o inferno. A senda para o Céu será construída dentro de você mesmo.

André Luiz

* * *

Ante os pequeninos


A criança é uma edificação espiritual dos responsáveis por ela.
Não existe criança - nem uma só - que não solicite amor e auxilio, educação e entendimento.
Cada pequenino, conquanto seja, via de regra, um espírito adulto, traz o celebro extremamente sensível pelo fato de estar reiniciando o trabalho da reencarnação, tornando-se, por isso mesmo, um observador rigorista de tudo o que você fala e faz.
A mente infantil dar-nos-á de volta, no futuro, tudo aquilo que lhe dermos agora.
Toda criança é um mundo espiritual em construção ou reconstrução, solicitando material digno a fim de consolidar-se.
Ajude os meninos de hoje a pensar com acerto dialogando com eles, dentro das normas do respeito e sinceridade que você espera dos outros em relação a você.
A criança é um capitulo especial no livro do seu dia-a-dia.
Não tente transfigurar seus filhinhos em bibelôs, apaixonadamente guardados, porque são eles espíritos eternos, como acontece a nos, e chegara o dia em que despedaçarão perante você mesmo quaisquer amarras de ilusão.
Se você encontra algum pirralho de maneiras desabridas ou de formação inconveniente, não estabeleça censura, reconhecendo que o serviço de reeducação dele, na essência pertence aos pais ou aos responsáveis e não a você.
Se veio a sofrer algum prejuízo em casa, por depredações de pequeninos travessos, esqueça isso, refletindo no amor e na consideração que você deve aos adultos que respondem por eles.

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Sinal Verde.
Ditado pelo Espírito André Luiz.

* * *

A ALMA TAMBÉM


Casas de saúde espalham-se em todas as direções com o objetivo de sanar as moléstias do corpo e não faltam enfermos que lhes ocupem as dependências.
Entretanto, as doenças da alma, não menos complexas, escapam aos exames habituais de laboratório e, por isso, ficam em nós, requisitando a medicação, aplicável apenas por nós mesmos.
Estimamos a imunização na patologia do corpo.
Será ela menos importante nos achaques do espírito?
Surpreendemos determinada verruga e recorremos, de imediato, à cirurgia plástica, frustrando calamidades orgânicas de extensão imprevisível.
Reconhecendo uma tendência menos feliz em nós próprios é preciso ponderar igualmente que o capricho de hoje não extirpado será hábito vicioso amanhã e talvez criminalidade em futuro breve.
Esmeramo-nos por livrar-nos da neurastenia capaz de esgotar-nos as forças.
Tratemos também de nossa afeição temperamental para que a impulsividade não nos induza à ira fulminatória.
Tonificamos o coração, corrigindo a pressão arterial ou ampliando os recursos das coronárias a fim de melhorar o padrão de longevidade. Apuremos, de igual modo, o sentimento para que emoções desregradas não nos precipitem nos desvãos passionais em que se aniquilam tantas vidas preciosas.
Requintamo-nos, como é justo, em assistência dentária na proteção indispensável.
Empenhemo-nos de semelhante maneira, na triagem do verbo para que a nossa palavra não se faça azorrague de sombra.
Defendemos o aparelho ocular contra a catarata e o glaucoma. Purifiquemos igualmente o modo de ver. Preservamos o engenho auditivo contra a surdez.
No mesmo passo, eduquemos o ouvido para que aprendamos a escutar ajudando.
A Doutrina Espírita é instituto de redenção do ser para a vida triunfante. A morte não existe.
Somos criaturas eternas. Se o corpo, em verdade, não prescinde de remédio, a alma também.

André Luiz

* * *

quinta-feira, 22 de novembro de 2007


ACEITANDO AS PESSOAS

Ouvi dois amigos conversando e um deles se queixava da incompreensão das pessoas, das agressões verbais, dos desentendimentos. Isto o revoltava e ele dizia invejar a serenidade e o equilíbrio do interlocutor.
- Qual é o segredo? perguntou.
- Não existe segredo, mas somente paixão pela vida e esforços contínuos para aprender, respondeu o outro.
- Aprender o que?
- A aceitar as pessoas, mesmo que ela nos desapontem, quando não aceitam os ideais que escolhemos. Quando nos agridem e nos ferem com palavras e atitudes impensadas.
- Mas é muito difícil aceitar pessoas assim.
- É verdade. É difícil aceitá-las como elas são e não como gostaríamos que elas fossem. Mas qual é o nosso direito de mudá-las?
- E como você consegue?
- Estou aprendendo a amar. Estou aprendendo a escutar, mas não apenas com os ouvidos, também com os olhos, com o coração, com a alma, com todos os sentidos. Muitas vezes as pessoas não falam com palavras, mas com a postura. Fique atento para os que falam com os ombros caídos, os olhos e as mãos irrequietas.
Assim como você pode ler as entrelinhas de um texto, pode ouvir coisas entre as frases de uma conversa corriqueira, banal, que somente o coração pode ouvir. Não raro, há angústia e desespero disfarçados, insegurança escondida em palavras ásperas, solidão fantasiada na tagarelice. Aos poucos estou aprendendo a amar, e amando estou aprendendo a perdoar. Perdoando, apago as mágoas e curo as feridas, sem deixar cicatrizes nos corações magoados e tristes. Aprendo com a vida o valor de cada vida e procuro entender os rejeitados, os incompreendidos. Nem sempre consigo, mas estou tentando.
Quanto a nós, vamos tentar construir a paz, sem desânimo, com muito amor, muito amor no coração.

terça-feira, 20 de novembro de 2007


O RAPAZ E O ESPELHO

Certo dia, um rapaz desiludido resolveu seguir o exemplo dos "contos da infância". Colocou-se frente ao seu espelho e perguntou:
- Querido espelho, olhe para mim e me diga: Existe alguém mais infeliz do que eu?

- Com certeza, respondeu o espelho, existe alguém mais triste que tu neste momento. E este alguém sou eu.

O rapaz olhou espantado. Não esperasse que um espelho falasse, e ainda contra ele. Mas o espelho prosseguiu:

- Tu não imaginas a dor que eu sinto ao ver, no meu reflexo, uma pessoa que deixou seus problemas tomarem conta de sua vida, que não tem mais vontade de lutar e principalmente que não consegue ver dentro de si as suas qualidades suas capacidades, seu talento. Queria que estivesse no meu lugar pra ver.

- Tu és uma pessoa tão inteligente, que fala para todos que tem um Deus, e tantas vezes falou do amor de Deus, agora se mostra tão derrotado. Deus é tão pequeno assim em tua vida para que tu te sintas tão inferior assim?

- É pena que tu não vejas através de mim toda a tua facilidade em lidar com as pessoas, o quanto é expressiva a tua voz e tua palavra, quanto teu coração é forte, e o quanto as pessoas te amam. Olhe para ti! Levanta essa cabeça, pois dificuldades todos temos, assim como todos guardam dentro de si algo especial para dar, a capacidade de tornar a própria vida prazerosa.

Quantas são as pessoas que gostariam de ser como tu és: saudável, inteligente e com toda a vida pela frente! e no entanto, muitas delas são felizes e agradecem à Deus pelas suas vidas!

Fez uma paus e continuou desabafando:
- Use a tua sensibilidade - ela é essencial para a vida. Motive-se: ao acordar pela manhã, pense algo do tipo: "hoje meu dia será produtivo, alegre e cheio de vida, pois tenho Deus comigo." . Faça isso com amor no coração e concentre em teus objetivos. De hoje em diante, quero ver outra imagem refletida em mim. Uma imagem de alegria interior.

***

A vida é tão curta. Não percas tempo com os momentos ruins. Faça deles experiências positivas para continuar tua vida. Ser feliz depende de uma vida em comunhão com Deus e em harmonia contigo mesmo. O que vem depois disso, são apenas resultados.

Tua postura diante da vida determina o rumo a tomar

INTEGRIDADE

Há muito tempo atrás, havia um mestre que vivia junto com um grande número de discípulos em um templo arruinado.Os discípulos sobreviviam através de esmolas e doações conseguidas numa cidade próxima.

Logo, muitos deles começaram a reclamar sobre as péssimas condições em que viviam. Em resposta, o velho mestre disse um dia:
- Nós devemos reformar as paredes do templo. Desde que nós somente ocupamos o nosso tempo estudando e meditando, não há tempo para que possamos trabalhar e arrecadar o dinheiro que precisamos. Assim, eu pensei numa solução simples.

Todos os estudantes se reuniam diante do mestre, ansiosos em ouvir suas palavras. O mestre disse:
- Cada um de vocês devem ir para a cidade e roubar bens que poderão ser vendidos para a arrecadação de dinheiro. Desta forma, nós seremos capazes de fazer um boa reforma em nosso templo.

Os estudantes ficaram espantados por este tipo de sugestão vir do sábio mestre. Mas, desde que todos tinham o maior respeito por ele, não fizeram nenhum protesto.

O mestre disse logo a seguir, de modo bastante severo:
- No sentido de não manchar a nossa excelente reputação, por estarmos cometendo atos ilegais e imorais, solicito que cometam o roubo somente quando ninguém estiver olhando. Eu não quero que ninguém seja pego.

Quando o mestre se afastou, os estudantes discutiram o plano entre eles.
- É errado roubar, disse um deles, Por que nosso mestre nos solicitou para cometermos este ato ?

Outro respondeu em seguida:
- Isto permitirá que possamos reformar o nosso templo, na qual é uma boa causa.

Assim, todos concordaram que o mestre era sábio e justo e deveria ter uma razão para fazer tal tipo de requisição. Logo, partiram em direção a cidade, prometendo coletivamente que eles não seriam pegos, para não causarem a desgraça para o templo.
- Sejam cuidadosos e não deixe que ninguém os veja roubando, incentivavam uns aos outros.

Todos os estudantes, com exceção de um, foram para a cidade. O sábio mestre se aproximou dele e perguntou-lhe:
- Por que você ficou para trás?

O garoto respondeu:
- Eu não posso seguir as suas instruções para roubar onde ninguém esteja me vendo. Não importa aonde eu vá, eu sempre estarei olhando para mim mesmo. Meus próprios olhos irão me ver roubando

O sábio mestre abraçou o garoto com um sorriso de alegria e disse:
- Eu somente estava testando a integridade dos meus estudantes e você foi o único que passou no teste!

Após muitos anos, o garoto se tornou um grande mestre.

O errado sempre será errado, e mesmo que ninguém veja os olhos de nossa consciência estará nos vigiando.

segunda-feira, 1 de outubro de 2007


ANSIEDADE

"Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós". – (I Pedro, 5:7).

As ansiedades armam muitos crimes e jamais edificam algo de útil na Terra.
Invariavelmente, o homem precipitado conta com todas as possibilidades contra si.
Opondo-se às inquietações angustiosas, falam as lições de paciência da Natureza, em todos os setores do caminho humano.
Se o homem nascesse para andar ansioso, seria dizer que veio ao mundo, não na categoria de trabalhador em tarefa santificante, mas por desesperado sem remissão.
Se a criatura refletisse mais sensatamente reconheceria o conteúdo de serviço que os momentos de cada dia lhe podem oferecer e saberia vigiar, com acentuado valor, os patrimônios próprios.
Indubitável que as paisagens se modificarão incessantemente, compelindo-nos a enfrentar surpresas desagradáveis, decorrentes de nossa atitude inadequada, na alegria ou na dor; contudo, representa impositivo da lei a nossa obrigação de prosseguir diariamente, na direção do bem.
A ansiedade tentará violentar corações generosos, porque as estradas terrenas desdobram muitos ângulos obscuros e problemas de solução difícil; entretanto, não nos esqueçamos da receita de Pedro.
Lança as inquietudes sobre as tuas esperanças em Nosso Pai Celestial, porque o Divino Amor cogita do bem-estar de todos nós.
Justo é desejar, firmemente, a vitória da luz, buscar a paz com perseverança, disciplinar-se para a união com os planos superiores, insistir por sintonizar-se com as esferas mais altas. Não olvides, porém, que a ansiedade precede sempre a ação de cair.



Livro: Pão Nosso - Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

SER SEMENTE

Você é uma semente virtuosa.
Plantada em solo amoroso,
recebe a luz do sol para se aquecer,
a água da chuva para se abastecer de alimento e força,
abraça-lhe o ar puro, a brisa leve para refrescá-la
e auxiliar seu trabalho que é florescer,
crescer, despontar.
Esta é a meta de toda semente.
Semente boa, perfeita, cheia de vida e força.
Pode esta semente vingar ou não.
Pode propor-se ao crescimento e desenvolvimento
para atingir seu objetivo.
Mas ela pode também acomodar-se no aconchego da terra,
que a princípio serve-lhe de impulso para a liberdade.
E ao acomodar-se "morre",
retorna sem florescer ou frutificar.
Não deixou de receber todo amparo da natureza-mãe,
do amor-pai.
Mas preferiu "morrer".
Pode também despontar,
até começar a crescer,
porém deixa-se dominar pelas pragas,
sufocar-se pelas ervas daninhas,
enfraquecer-se pela dificuldade de buscar a luz do sol,
a força da chuva, o vigor da brisa.
E também morre,
nem vislumbrar a alegria do crescimento total,
do florescer de seus esforços,
do frutificar de suas potencialidades.
E há aquelas que deixam florescer toda a essência de sua criação.
Todas as sementes têm as mesmas condições de escolhas.
Uso tais figuras comparativas
para ilustrar meu desejo de que você,
ser criado com todo amor,
com todas as possibilidades,
em si todas as virtudes
e instrumentos necessários para a construção
de sua felicidade, de sua evolução,
desperte com todas as condições guardadas
e imprimidas em você para que possa conhecer a alegria
e o real sentimento de realização de seus propósitos.
Cuide das pragas do orgulho,
das ervas daninhas do rancor que o sufocam
e o impedem de experimentar
a excelente qualidade da semente que você é.

OBSERVA TEU COMPORTAMENTO

A psicologia é um instrumento valioso para o nosso aprimoramento espiritual. Usemo-la todos os dias, observando o nosso comportamento, alimentando os tesouros conquistados no reino da moral e substituindo os instintos inferiores por boas maneiras que a consciência educada no Evangelho aprova.

O tempo, que gastaríamos na maledicência, aproveitemo-lo na auto observação, com o sentido de nos melhorarmos em todas as freqüências espirituais. Esse exercício é um trabalho que agrada a Jesus e conquista amizade dos benfeitores da vida maior. Todos temos uma conduta. Entretanto, isto não basta, sendo necessário que tenhamos uma vida reta.
Essa é a parte que nos toca fazer e esse empenho é nosso, por direito e por justiça por ter nas marcas das nossas mãos o nosso próprio melhoramento. Há inúmeras pessoas, que fazem parte de organizações que desprezam a oração, que não conseguem sensibilizar nem a si mesmas, por lhes faltarem a energia atraída pela súplica. Esquecem-se também de que a oração não é somente o balbuciar das palavras nem o decorar automático de frases ou páginas escritas pelos dirigentes das comunidades. Tudo o que fizeres dentro das leis do Amor é uma oração a Deus, pois cada vez estás enriquecendo a tua própria cultura espiritual, como faculta a tua consciência, na tranqüilidade do coração.

A prece é, pois, um ato de gratidão, quando mostramos o que já aprendemos na escola do Senhor. Em tudo o que estás fazendo com acerto, estás orando ao Criador e terás retorno de ambientes de maior conforto e paz para a tua jornada interminável. Quem não aprendeu a orar, não sentiu a vida na própria alma.

A prece te dará forças novas para corrigir as tuas faltas, sejam elas quais forem. Quem vive no clima da oração, sente mais o céu palpitar por dentro e Deus a dirigir os seus passos. O santo e o místico são dados a profundas meditações e são esses seres incompreendidos que nos dão exemplos de virtudes.

Não deixes o tempo passar sem que faças alguma coisa em teu benefício, mudando o teu modo de proceder, mas mudando no que aprendeste com as grandes almas. Para tanto, temos, por misericórdia divina, o pergaminho de Cristo como herança nossa. Vamos acertar a nossa vida na vida d'Ele para que se façam as correções necessárias.

Todos sabemos e conhecemos o Bem e o Mal e quais os caminhos que deveremos trilhar. Todos temos uma voz interior que deve ser ouvida, como que um alto-falante dentro da consciência, ligado por fios invisíveis ao microfone de Deus. Se temos ouvidos para ouvir, é justo que façamos uma cirurgia moral em nós mesmos, em nosso comportamento, para que a luz desabroche em nossos corações hoje e eternamente.



João Nunes Maia

Pelo Espírito Lancellin"

sexta-feira, 28 de setembro de 2007


LEVANTA-TE DO CHÃO

Não te deixes abater, no mundo, ante as provações que atravessas.
Encontras-te na situação mais adequada às realizações que te dizem respeito à vida espiritual.
Permaneces no corpo que mais te favorece às aquisições do campo íntimo. O clima social em que se instalam as atividades é a paisagem na qual dispões dos melhores recursos de experiência.
Tens contigo os companheiros certos que te auxiliam no aperfeiçoamento a que aspiras.
Dificuldades que te surpreendem são os testes aconselháveis em que te cabem encontrar aproveitamento.
Amigo que te deixam em caminho são afeições que se distanciam transitoriamente para que adquiras segurança.
Conflitos repontando na estrada são valiosas lições para a conquista da paz em ti mesmo.
Prejuízos são apelos à vigilância.
Decepções constituem o preço com que se paga a luz da verdade.
Incompreensões lecionam discernimento.
Solidão é tempo de muda nos mecanismo da alma.
Aceita-te como és e aceita a vida em que deves estar, na condição em que te vês, a fim de que faças em ti o burilamento possível.
Seja qual seja o montante das provas, na conta das obrigações que assumiste, levanta-te do chão de qualquer tristeza e fazei o bem que puderes, trabalhando e servindo sem reclamar, porque se te achas no uso da razão é que Deus conta contigo para que auxilies a ti mesmo, doando à vida o máximo de tudo aquilo que já possuas de melhor.


Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

PERDOAR

Sim, deves perdoar! Perdoar e esquecer a ofensa que te colheu de surpresa,
quase dilacerando a tua paz.
Afinal, o teu opositor não desejou ferir-te realmente, e, se o fez com essa intenção,
perdoa ainda, perdoa-o com maior dose de compaixão e amor.
Ele deve estar enfermo, credor, portanto, da misericórdia do perdão.
Ante a tua aflição, talvez ele sorria. A insanidade se apresenta em face múltipla e uma delas é a impiedade, outra o sarcasmo, podendo revestir-se de aspectos muito diversos.
Se ele agiu, cruciado pela ira, assacando as armas da calúnia e da agressão, foi vitimado por cilada infeliz da qual poderá sair desequilibrado ou comprometido organicamente.
Possivelmente, não irá perceber esse problema, senão mais tarde.
Quando te ofendeu deliberadamente, conduzindo o teu nome e o teu caráter ao descrédito, em verdade se desacreditou ele mesmo.
Continuas o que és e não o que ele disse a teu respeito.
Conquanto justifique manter a animosidade contra tua pessoa, evitando a reaproximação, alimenta miasmas que lhe fazem mal e se abebera da alienação com indisfarçável presunção.
Perdoa, portanto, seja o que for e a quem for.
O perdão beneficia aquele que perdoa, por propiciar-lhe paz espiritual,
equilíbrio emocional e lucidez mental.
Felizes são os que possuem a fortuna do perdão para a distender largamente,
sem parcimônia.
O perdoado é alguém em débito; o que perdoou é espírito em lucro.
Se revidas o mal és igual ao ofensor; se perdoas, estás em melhor condição; mas se perdoas e amas aquele que te maltratou, avanças em marcha invejável pela rota do bem.
Todo agressor sofre em si mesmo.
E um espírito envenenado, espargindo o tóxico que o vitima.
Não desças a ele senão para o ajudar.
Há tanto tempo não experimentavas aflição ou problema - graças à fé clara e nobre que esflora em tua alma - que te desacostumaste ao convívio do sofrimento.
Por isso, estás considerando em demasia o petardo com que te atingiram,
valorizando a ferida que podes de imediato cicatrizar.
Pelo que se passa contigo, medita e compreenderás o que ocorre com ele, o teu ofensor.
O que te é Inusitado, nele é habitual.
Se não te permitires a ira ou a rebeldia - perdoarás!
A mão que, em afagando a tua, crava nela espinhos e urze que carrega,
está ferida ou se ferirá simultaneamente.
Não lhe retribuas a atitude,
usando estiletes de violência para não aprofundares as lacerações.
O regato singelo, que tem o curso impedido por calhaus e os não pode afastar,
contorna-os ou para, a fim de ultrapassá-los e seguir adiante.
A natureza violentada pela tormenta responde ao ultraje reverdecendo tudo e logo multiplicando flores e grãos.
E o pântano infeliz, na sua desolação, quando se adorna de luar, parece receber o perdão da paisagem e a benéfica esperançada oportunidade de ser drenado brevemente, transformando-se em jardim.
Que é o "Consolador", que hoje nos conforta e esclarece,
conduzindo uma plêiade de Embaixadores dos Céus para a Terra,
em missão de misericórdia e amor, senão o perdão de Deus aos nossos erros,
por intercessão de Jesus?!
Perdoa, sim, e intercede ao Senhor por aquele que te ofende,
olvidando todo o mal que ele supõe ter-te feito ou que supões que ele te fez, e,
se o conseguires, ama-o, assim mesmo como ele é.
"Não vos digo que perdoeis até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes".
Mateus: 18-22.
"A misericórdia é o complemento da brandura,
porquanto aquele que não for misericordioso não poderá ser brando e pacifico.
Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas".
O Evangelho Segundo O Espiritismo, Cap. X - Item 4

ANTES DE JULGARES

Antes de julgares,
saiba que teus olhos atentos aos possíveis
erros dos outros,
podem estar cegos diante dos teus.

Antes de julgares,
percebe que aquilo que tanto recriminas hoje,
talvez precise ser a tua realidade de amanhã.

Antes de julgares,
repara que toda história tem duas versões
e duas versões são duas verdades.

Antes de julgares,
aceita que invariavelmente a uma parte,
por menor que seja, de uma história,
tu não terás acesso.

Antes de julgares,
entende que não serão mil bocas
que te esclarecerão qualquer coisa,
elas apenas te confundirão.

Antes de julgares,
escuta o silêncio,
ele costuma fornecer grandes dados.
Antes de julgares,
observa os olhos, eles são mais reveladores
do que as bocas.
Eles deixam provas irrefutáveis da verdade.

Antes de julgares,
presta atenção à tua volta.
Quantos foram condenados injustamente
por mestres em julgamento?
Antes de julgares,
lembra que tu mesmo já foste vítima
de calúnias e por vezes não tiveste
como te defender delas.

Antes de julgares,
olha-te no espelho,
observa com atenção o teu semblante,
pensa na tua vida pregressa e questiona-te
se estás em condição de julgar alguém.
Antes de julgares,
recorda-te que Cristo foi julgado,
condenado e crucificado sem direito à defesa.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007


ACALMA-TE!

Seja qual for a perturbação reinante, acalma-te e espera, fazendo o melhor que possas.
Lembra-te de que o Senhor Supremo pede serenidade para exprimir-se com segurança.
A terra que te sustenta o lar é uma faixa de forças tranqüilas.
O fruto que te nutre representa um ano inteiro de trabalho silencioso da árvore generosa.
Cada dia que se levanta é convite de Deus para que lhe atendamos à Obra Divina, em nosso próprio favor.
Se te exasperas, não Lhe assimilas o plano.
Se te afeiçoas à gritaria, não Lhe percebes a voz.
Conserva-te, pois, confiante, embora a preço de sacrifício.
Decerto, encontrarás ainda hoje, corações envenenados que destilam irritação e desgosto, medo e fel.
Ainda mesmo que te firam e apedrejem, aquieta-te e abençoa-os com a tua paz.
Os desesperados tornarão à harmonia, os doentes voltarão à saúde, os loucos serão curados, os ingratos despertarão...
É da Lei do Senhor que a luz domine a treva, sem ruído, sem violência.
Recorda-te que toda dor, como toda nuvem, forma-se, ensombra-se e passa...
Se outros gritam e oprimem, espancam e amaldiçoam, acalma-te e espera...
Não olvides a palavra do Mestre quando nos afirmou que a Deus tudo é possível, e, garantindo o teu próprio descanso, refugia-te em Deus.


Emmanuel

ONDE ESTÁ DEUS?

Assim, o poeta Castro Alves inicia seu poema Vozes da África. É o lamento do Continente Africano, vendo seus filhos serem levados como animais ao mercado de escravos.
Deus! Ó Deus! Onde estás que não respondes!
Em que mundo, em qu´estrela tu t’escondes
Embuçado nos céus?
Há dois mil anos Te mandei meu grito,
Que embalde, desde então, corre o infinito...
Onde estás, senhor Deus?
À semelhança dos versos do poeta, muitas vozes se ergueram quando aconteceu o 11 de setembro de 2001, para indagar onde estava Deus naquele momento.
Por que permitiu que mais de duas mil vidas fossem destroçadas naquela manhã? Por quê?
Poder-se-ia perguntar ainda onde estava Deus quando fomentamos a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.
Quando eliminamos seis milhões de judeus, em nome de uma inexistente superioridade ariana.
E quando empreendemos as cruzadas, levando a morte àqueles que qualificávamos como infiéis?
E durante a Inquisição de tanta barbárie?
E todos os dias, onde está Deus?
Onde está Deus quando enganamos nosso irmão? Quando mentimos para conseguir favores que desejamos?
Quando desonramos o lar, com o adultério? Quando eliminamos a vida no ventre materno, porque não desejamos o ser em gestação?
Onde está Deus quando deixamos nossos filhos à matroca, sem orientação, porque preferimos a acomodação?
Onde está Deus quando, utilizando o poder que o mundo nos confere, ferimos pessoas, destruímos a honra de outras vidas?
Onde está Deus quando levantamos as bandeiras da pena de morte ao nosso irmão? Ou da eutanásia?
Para todas as perguntas, a resposta é a mesma: Deus está dentro de nós, dentro de cada criatura.
Soberanamente sábio, criou-nos a todos iguais, partindo de um mesmo ponto de simplicidade e ignorância.
Criou os mundos para que neles trabalhássemos, utilizássemos nossas forças e crescêssemos em intelecto e moral.
A ninguém concedeu privilégios. A todos concedeu o livre-arbítrio, com a conseqüente Lei de Causa e Efeito.
Estabeleceu que a cada um será dado conforme as suas obras e que todos deverão chegar ao mesmo destino, não importa quanto demore: a perfeição.
Ele nos permite a livre semeadura, mas estabelece que a colheita seja obrigatória.
Por isso, uns semeiam ventos e colhem tempestades. Outros lançam ao solo as sementes da bondade, do bem e alcançam felicidade.
Uns estão semeando hoje. Outros tantos estão realizando a colheita das bênçãos ou das desgraças que se permitiram semear.
Conhecedor das fragilidades de Seus filhos, aguarda que cada um desperte, a seu tempo, cansado das dores que para si mesmo conseguiu.
Portanto, não indague onde está Deus, quando você contemple a injustiça. Trabalhe pela justiça.
Não pergunte onde está Deus, quando observe a violência. Semeie a paz.
Não questione onde está Deus quando a miséria campeia. Utilize seus recursos para semear riquezas.
Enfim, onde quer que você esteja, lembre que Deus está em você e com você. E espera que você seja o Seu mensageiro de bênçãos, onde se encontre.

Pense nisso. Pense agora e comece a demonstrar ao mundo o Deus que existe em sua intimidade.

terça-feira, 25 de setembro de 2007


A ESCOLHA É SUA

Você já ouviu alguma vez falar de livre-arbítrio?
Livre-arbítrio quer dizer livre escolha, livre opção.
Em todas as situações da vida, sempre temos duas ou mais possibilidades para escolher.
E a cada momento a vida nos exige decisão. Sempre temos que optar entre uma ou outra atitude.
Desde que abrimos os olhos, pela manhã, estamos optando entre uma atitude ou outra. Ao ouvir o despertador, podemos escolher entre abrir a boca para lamentar por não ser nosso dia de folga ou para agradecer a Deus por mais um dia de oportunidades, no corpo físico.
Ao encontrarmos o nosso familiar que acaba de se levantar, podemos resmungar qualquer coisa, ficar calado, ou desejar, do fundo da alma, um bom dia.
Quando chegamos ao local de trabalho, podemos optar entre ficar de bem com todos ou buscar o isolamento, ou, ainda, contaminar o ambiente com mau humor.
Conta um médico, que trata de pacientes com câncer, que as atitudes das pessoas variam muito, mesmo em situações parecidas.
Diz ele que duas de suas pacientes, quase da mesma idade, tiveram que extirpar um seio por causa da doença. Uma delas ficou feliz por continuar viva e poder brincar com os netos, a outra optou por lamentar pelo seio que havia perdido, embora também tivesse os netos para se distrair.
Quando alguém o ofende, você pode escolher por revidar, calar-se ou oferecer o tratamento oposto.
A decisão sempre é sua.
O que vale ressaltar é que todas as ações terão uma reação correspondente, como conseqüência. E essa ação é de nossa total responsabilidade.
E isso deve ser ensinado aos filhos desde cedo. Caso a criança escolha agredir seu colega e leve alguns arranhões, deverá saber que isso é resultado da sua ação e, por conseguinte, de sua inteira responsabilidade.
Tudo na vida está sujeito à lei de causa e efeito: para uma ação positiva, um efeito positivo; para uma ação infeliz, o resultado correspondente.
Se você chega ao trabalho bem humorado, alegre, radiante, e encontra seu colega de mau humor, você pode decidir entre sintonizar na faixa dele ou fazer com que ele sintonize na sua.
Você tem ainda outra possibilidade de escolha: ficar na sua.
Todavia, da sua escolha dependerá o resto do dia. E os resultados lhe pertencem.
Jesus ensinou que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.
Pois bem, nós estamos semeando e colhendo o tempo todo. Se semeamos sementes de flores, colhemos flores; se plantamos espinheiros, colheremos espinhos. Não há outra saída.
Mas o que importa mesmo é saber que a opção é nossa. Somos livres para escolher, antes de semear. Aí é que está a justiça divina.
Mesmo as semeaduras que demoram bastante tempo para germinar, um dia terão seus frutos. São aqueles atos praticados no anonimato, na surdina, que aparentemente ficam impunes. Um dia eles aparecerão e reclamarão colheita.
Igualmente, os atos de renúncia, de tolerância, de benevolência, que tantas vezes parecem não dar resultados, um dia florescerão e darão bons frutos e perfume agradável. É só deixar nas mãos do jardineiro divino, a quem chamamos de Criador.
Pense nisso!
A hora seguinte será o reflexo da hora atual.
O dia de amanhã trará os resultados do dia de hoje.
É assim que vamos construindo a nossa felicidade ou a nossa desdita, de acordo com a nossa livre escolha, com nosso livre-arbítrio.

Viver não doi

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer,
apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana,
que gerou em nós um sentimento intenso
e que nos fez companhia por um tempo razoável,
um tempo feliz.
Sofremos por quê?
Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado
e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas,
por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido
ao lado do nosso amor e não conhecemos,
por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,
por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco,
mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema ,
para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco,
mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando
a ela nossas mais profundas angústias
se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos,
mas porque o futuro está sendo confiscado de nós,
impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Como aliviar a dor do que não foi vivido?
A resposta é simples como um verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!
A cada dia que vivo,
mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos,
nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca,
e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos
também a felicidade..

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional.

Sorria para a vida

Tem dia que ao acordar olhamos pela janela
e parece que há uma nuvem negra sobre o céu.
O sol está lindo, mas nem olhamos para ele.

Os pássaros cantam e só escutamos o barulho ensurdecedor dos carros.

A vida está sorrindo mas estamos sérios demais para viver e sorrir com a vida. Sentimos uma profunda tristeza...

É como se estivéssemos sentindo
"a dor do mundo".

Quando isso acontece é hora de parar tudo.
Repensar sobre o que você está fazendo com a sua vida.
Pare de ouvir essa voz invisível!
Ela apenas lhe coloca para baixo,
se alimenta da sua tristeza e quer ser mais forte que você.

Vamos lá!!!
É hora de dar um tempo para você mesmo.
Se é ruim viver assim manda esse baixo astral para longe.
Não alimente essa "voz" invisível que está ao seu lado
fazendo com que você não ache mais graça na vida.

Traga bons pensamentos
para dentro de você.
Não se deixe abater pelos problemas, ninguém é infeliz para sempre.
E você já teve bons momentos em sua vida.
Momentos esses, onde você sentiu muita felicidade e foi tanta,
que você agradeceu centenas de vezes a Deus por estar vivo.

Então não deixe que essa tristeza
lhe turve os olhos da alma ou aprisione seu coração.
Acredite!!!
O céu está mais azul do que nunca.
Você pode ver e sentir a Luz do sol.
O movimento conturbado
das ruas continuam.
Mas os pássaros ainda estão cantando.
E irão sempre cantar
para quem souber ouví-los.

A vida, tem momentos de seriedade,
mas irá sempre sorrir para você se você aprender a sorrir para ela!

segunda-feira, 27 de agosto de 2007




Acalme meu passo, Senhor
Desacelere as batidas do meu coração, acalmando minha mente.
Diminua meu ritmo apressado com uma visão da eternidade do tempo.
Em meio às confusões do dia a dia, dê-me a tranqüilidade das montanhas.
Retire a tensão dos meus músculos e nervos com a música tranqüilizante dos rios de águas constantes que vivem em minhas lembranças.
Ajude-me a conhecer o poder mágico e reparador do sono.
Ensina-me a arte de tirar pequenas férias: reduzir o meu ritmo para contemplar uma flor, papear com um amigo, afagar uma criança, ler um poema, ouvir uma música preferida.
Acalme meu passo, Senhor, para que eu possa perceber no meio do incessante labor cotidiano dos ruídos, lutas, alegrias, cansaços ou desalentos, a Tua presença constante no meu coração.
Acalme meu passo, Senhor, para que eu possa entoar o cântico da esperança, sorrir para o meu próximo e calar-me para escutar a Tua voz.
Acalme meu passo, Senhor, e inspire-me a enterrar minhas raízes no solo dos valores duradouros da vida, para que eu possa crescer até as estrelas do meu destino maior.
Obrigado Senhor, pelo dia de hoje, pela família que me deste, meu trabalho e sobretudo pela Tua presença em minha vida.

Não condenes. Desculpa.

Esquece toda ofensa.

Quem te fere ou te espanca

Já tem a dor da culpa.

Não precisas punir

Quem já sofre por si.

Quem prejudica aos outros

Dilapida a si mesmo.

Ora e ajuda em silêncio

A quem te bate ou humilha.

Para expiar os erros,

Bastar-nos-á viver.


Livro Momentos de Paz
Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 9 de agosto de 2007


REVERÊNCIA AO DESTINO

Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem uma opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer antes que a pessoa se vá.
Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.
Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
E com confiança no que diz. Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situaçãoe saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer.
Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo te deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
E é assim que perdemos pessoas especiais.
Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração. Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.
Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"
Difícil é dizer "adeus".
Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém das nossas vidas...
Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.
Fácil é querer ser amado. Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, Amar e se entregar.
E aprender a dar valor somente a quem te ama. Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a consciência acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.
Fácil é ditar regras. Difícil é segui-las.
Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.
Fácil é perguntar o que deseja saber. Difícil é estar preparado para escutar esta resposta.
Ou querer entender a resposta.
Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.
Fácil é dar um beijo. Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.
Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como és e te fazer feliz por inteiro.
Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica. Difícil é ocupar o coração de alguém.
Saber que se é realmente amado. Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho.
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

quinta-feira, 2 de agosto de 2007


LIMITAÇÕES

Quando compartilhamos nossas limitações

com as dos outros,

complementamos nossas falhas

e as dos outros,

o que nos possibilita criar assim

uma harmonia viva

na arte da vida.


MENSAGEM DE PAZ

Na aplicação de qualquer receita
destinada à composição da felicidade,
não se esqueças do aviso de que a
felicidade nasce de ti mesmo.
Não aguardes do mundo a segurança
que tão somente poderá ser construída
por ti mesmo,dentro de ti.
Nunca menospreze o trabalho que a
vida te confiou.
A tarefa que desempenhas hoje é a
base de seu apoio futuro.
Aceita-te como és e com aquilo
de que disponhas para realizar
o melhor que possas.
Observa sempre que não existe
criatura alguma destituída de
valor e da qual não venhas a
necessitar algum dia.
Quanto possível, conserva a luz
da virtude que te norteia a
elevação, mas não permitas que
a tua virtude viva sem escadas
para descer ao encontro daqueles
que se debatem sob a ventania da
adversidade a te pedirem socorro
e compreensão.
Se fiel ao campo da verdade que
abraças, sem desconsiderar a parte
da verdade em que os outros
se encontram.
Usa a paciência nas pequenas
dificuldades para que não te falte
serenidade nas grandes crises que
todos somos levados a facear nas
trilhas do tempo.
Não te apegues aos anseios da
juventude, nem te acomodes com
o cansaço de muitos que ainda
não aprenderam a viver com a
criatividade da madureza.
Recorda que até hoje ninguém
descobriu o ponto de interação
onde termina a fadiga e começa a
ociosidade. Em qualquer tempo
exercita a fortaleza espiritual
para que as tuas energias não
se dissolvam, de inesperado,
quando as calamidades da experiência
humana se façam inevitáveis.
Resigna-te a transitar no mundo,
entre os que se te revelem na
condição de opositores naturais
aos teus pontos de vista, mas
não formes inimigos nem cultives
ressentimentos. Não abuses e nem
brinques com os sentimentos alheios.
Guarda a tua paz, ainda mesmo nas
grandes lutas. Não creias em
pessimismo e derrota, solidão e
abandono, porque se amas conforme
determinam as Leis do Universo,
descobrirás a beleza e a alegria
em qualquer circunstância e em
qualquer parte da Terra.
E jamais desesperes, porquanto sejas
quem sejas e estejas onde estiveres,
ninguém te pode furtar o privilégio
da imortalidade e nem te arredar
do Esquema de Deus.


( Emmanuel - Chico Xavier )

quarta-feira, 2 de maio de 2007


NEM CASTIGO NEM PERDÃO

O espírita encontra na própria fé - o Cristianismo Redivivo - estímulos novos para viver com alegria, pois, com ele, os conceitos fundamentais da existência recebem sopros poderosos de renovação.

  • A Terra não é prisão de sofrimento eterno.
    É escola abençoada das almas.

  • A felicidade não é miragem do porvir.
    É realidade de hoje.

  • A dor não é forjada por outrem.
    É criação do próprio espírito.

  • A virtude não é contentamento futuro.
    É júbilo que já existe.

  • A morte não é santificação automática.
    É mudança de trabalho e de clima.

  • O futuro não é surpresa atordoante.
    É conseqüência dos atos presentes.

  • O bem não é o conforto do próximo, apenas.
    É ajuda a nós mesmos.

Deus é Eqüidade Soberana, não castiga nem perdoa, mas o ser consciente profere para si mesmo as sentenças de absolvição ou culpa ante as Leis Divinas.

Nossa conduta é o processo, nossa consciência o tribunal.

Não nos esqueçamos, portanto, de que, se a Doutrina Espírita dilata o entendimento da vida, amplia a responsabilidade da criatura.

As raizes das grandes provas irrompem do passado - subsolo da nossa existência -, e, na estrada da evolução, quem sai de uma vida entra em outra, porque berço e túmulo são, simultaneamente, entradas e saídas em planos de Vida Eterna.


(O Espírito da Verdade, 82, FEB)


Ama o próximo como a ti mesmo.
A regra áurea reconhece o amor a nós próprios, justificando a necessidade do auto-apreço, para que não estejamos pregando estima aos outros, a chafurdar-nos em desmazelo.
Muito naturalmente aspiramos ao respeito pelos direitos que a vida nos atribui.
Almejamos a cooperação de muitos para que os nossos deveres se façam bem cumpridos.
Nas horas do erro, agradecemos a caridade dos que nos propiciem o reconforto da tolerância.
Nos momentos de acerto, sentimos noivo impulso ao serviço ante os estímulos da amizade.
Acicatados pela necessidade, queremos que os outros nos auxiliem.
Doentes, não duvidamos de que o próximo tem a obrigação de amparar-nos.
Diante daqueles que amamos exigimos a consideração dos que se aproximam.
Nas tarefas que impelidos a realizar aguardamos a avaliação afetiva dos que andam conosco.
Forçoso observar que os outros esperam também tudo isso.
A incompreensão aborrece-nos, o sarcasmo que se nos atira mais se assemelha a esbraseado estilete com que se nos revolve os tecidos da alma. Acontece o mesmo na sensibilidade de quantos nos cercam.
Por outro lado, não nos seria lícito receitar educação para os semelhantes sem sermos educados, e nem apelar para o caráter alheio se nos amodorramos no charco da incúria.
"Ama o próximo como a ti mesmo", diz a norma de ouro.
Nada de endeusar-nos, nem aparentar valor que não temos, mas respeitar-nos, garantindo ao nosso espírito o dom de aprender, servir e melhorar-nos com tranqüilidade de consciência. Para chegarmos a isso, reconhecer que, em tudo, é preciso dar e fazer aos outros tudo aquilo que desejamos seja dado e feito a nós.

ANDRÉ LUIZ
("Sol nas Almas", 63, FCX, edição CEC)

Querido amigo, que a sua semana seja luz e alegria,
sempre com Jesus...

quarta-feira, 18 de abril de 2007


TUDO PASSARÁ

Todas as coisas, na Terra,passam...

Os dias de dificuldades, passarão...

Passarão também os dias de amargura e solidão...

As dores e as lágrimas passarão.

As frustrações que nos fazem chorar...

um dia passarão. A saudade do ser querido que está longe, passará.

Dias de tristeza... Dias de felicidade...

São lições necessárias que, na Terra, passam, deixando no espírito imortal as experiências acumuladas.

Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de amargura, paremos um instante.

Elevemos o pensamento ao Alto, e busquemos a voz suave da Mãe amorosa a nos dizer carinhosamente: isso também passará...

E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.

O planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas.

Mas isso também passará, porque Jesus está no leme dessa Nau,

e segue com o olhar sereno de quem guarda a certezade que a agitação faz parte do roteiro evolutivo da humanidade , e que um dia também passará...

Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro, porque essa é a sua destinação. Assim, façamos a nossa parte o melhor que pudermos, sem esmorecimento, e confiemos em Deus, aproveitando cada segundo, cada minuto que, por certo...também passarão..."

" Tudo passa..........exceto DEUS!"
Deus é o suficiente!

(Emmanuel/Francisco Cândido Xavier )


PRECE DOS AFLITOS E AGONIZANTES

Senhor Deus, Pai dos que choram,Dos tristes, dos oprimidos.
Fortaleza dos vencidos, Consolo de toda a dor,
Embora a miséria amarga, Dos prantos de nosso erro,
Deste mundo de desterro, Clamamos por vosso amor!
Nas aflições do caminho, Na noite mais tormentosa,
Vossa fonte generosa É o bem que não secará...
Sois, em tudo, a luz eterna Da alegria e da bonança
Nossa porta de esperança Que nunca se fechará.
Quando tudo nos despreza No mundo da iniqüidade,Quando vem a tempestade Sobre as flores da ilusão! Ó Pai, sois a luz divina, O cântico da certeza, Vencendo toda aspereza, Vencendo toda aflição. No dia de nossa morte,
No abandono ou no tormento,Trazei-nos o esquecimento Da sombra, da dor, do mal!...
Que nos últimos instantes, Sintamos a luz da vida Renovada e redimida
Na paz ditosa e imortal.

EMMANUEL
Psicografia de Francisco C.Xavier

Livro: Paulo E Estevão

domingo, 15 de abril de 2007


TALVEZ HOJE:

Surgirá quem procure ditar-lhe o que você precisa fazer, entretanto, embora agradecendo as elogiáveis intenções de quem lhe oferece pontos de vista, ouça, antes de tudo, a sua própria consciência quanto ao dever que lhe cabe;

É possível apareça algum coração amigo impondo-lhe quadros de pessimismo e perturbação, relativamente às dificuldades do mundo; compadecendo-se, porém, da criatura que se entrega ao derrotismo e ao desânimo, você observará a renovação para o bem que a Sabedoria Divina promove em toda parte;

É provável que essa ou aquela pessoa queira impor a você idéias de fadiga e doenças; mas conquanto a sua gratidão aos que lhe desejem bem-estar, você prosseguirá trabalhando e servindo ao alcance de suas forças;

Possivelmente, notícias menos agradáveis venham a suscitar-lhe inquietações e traçar-lhe problemas; no entanto, você conservará a própria paz e não se desligará das suas orações e pensamentos de otimismo e esperança.

Talvez hoje tudo pareça contra você, mas você prosseguirá compreendendo e agindo, em apoio do bem, guardando a certeza de que Deus está conosco e de que amanhã será outro dia.

ANDRÉ LUIZ (Respostas da Vida, cap. 25)

Que a sua semana seja de paz e felicidade, com Jesus...

LETREIROS VIVOS


Nas faixas mínimas da sua experiência cotidiana surge o roteiro humano que você representa para os outros. Os traços do semblante pintam-lhe o clima interior. Os seus objetos de uso pessoal compõem o edifício da sua simplicidade. A ordem dos seus afazeres indica-lhe o grau de disciplina. O cumprimento das suas obrigações denuncia-lhe o valor da palavra empenhada. O teor da amizade dos seus vizinhos, para com a sua pessoa, qualifica a sua capacidade de se fazer entendido. O diapasão da sua palestra dá o tom da sua altura íntima. A segurança da sua opinião traduz a firmeza dos seus ideais. Os tecidos que lhe envolvem o corpo configuram-lhe o senso de naturalidade. As iguarias da sua mesa revelham-lhe o papel do estômago no mundo moral. A natureza do cuidado com o seu físico fala francamente de suas possíveis relações com a vaidade. O seu presente diz, para todos, o que você foi no passado e o que você será no porvir, com reduzidas possibilidades de erro. A uniformidade entre o movimento das suas idéias, dos seus conceitos e das suas ações disseca, à vista de todos, a fibra da sua vontade. Todas as criaturas que lhe partilham a existência lêem incessantemente os letreiros vivos que lhe estabelecem a verdadeira identidade nos panoramas da Vida, respondendo-lhe as mensagens inarticuladas com aversão ou simpatia, contentamento ou desagrado, conforme a sua plantação de bem ou mal.

ANDRÉ LUIZ("O Espírito da Verdade", 76, FEB)

sábado, 7 de abril de 2007


S.O.S

A existência terrestre é comparada ao firmamento que nem sempre surge perfeitamente anilado.Dias sobrevêm nos quais as nuvens da prova se entrechocam de improviso, estabelecendo o aguaceiro das lágrimas.Raios de angústia varrem o céu da esperança..Granizos de sofrimento apedrejam os sonhos...Rajadas de calúnia açoitam a alma...Enxurrada carreando maledicência invade o caminho anunciando subversão...Multiplicam-se os problemas, traçando os testes do destino em que se nos verificará o aproveitamento dos valores que o mundo nos oferece.Entretanto, a facilitação de cada problema solicita três atitudes essencialmente distintas, tendendo ao mesmo fim.Silêncio diante do caos.Oração à frente do desafio.Serviço perante o mal.Se a tentação aparece entenebrecendo a estrada, recorramos à oração.Se a ofensa nos injuria, refugiemos no serviço.Toda perturbação pode ser limitada pelo silêncio até que se lhe extinga o núcleo de sombra.Toda impropriedade mental desaparece se lhe antepomos a luz da oração.Todo desequilíbrio engenhado pelas forças das trevas é suscetível de se regenerar pela energia benéfica do serviço.O trânsito da vida possui também sinalização peculiar.Silêncio - previne contra o perigo.Oração - prepara a passagem livre.Serviço - garante a marcha correta.Em qualquer obstáculo, valer-se desse trio de paz, discernimento e realização é assegurar a própria felicidade.S.O.S. é hoje o sinal de todas as nações para configurar as súplicas de socorro e, na esfera de todas as criaturas existe outro S.O.S., irmanando silêncio, oração e serviço, como sendo a síntese de todas as respostas.

ANDRÉ LUIZ
("Sol nas Almas", cap. 47, CEC)

PROFILAXIA

Se a maledicência visita o seu caminho, use o silêncio antes que a lama revolvida se transforme em tóxicos letais.
Se a cólera explode ao seu lado, use a prece, a fim de que o incêndio não se comunique às regiões menos abrigadas de sua alma.
Se a incompreensão lhe atira pedradas, use o silêncio, em seu próprio favor, imobilizando os monstros mentais que a crueldade desencadeia na almas frágeis e enfermiças.
Se a antipatia gratuita surpreende as suas manifestações de amor, use a prece, facilitando a obra da fraternidade, que o Mestre nos legou.
O silêncio e a prece são antídotos do mal, amparando o Reino do Senhor, ainda nascente no mundo.
Se você pretende a paz no setor de trabalho que Jesus lhe confiou, não se esqueça dessa profilaxia da alma, imprescindível à vitória sobre a treva e sobre nós mesmos.
ANDRÉ LUIZ

AÇÃO DA PRECE

Você é o lavrador. O outro é o campo.

Você planta.O outro produz. Você é o celeiro.

O outro é o cliente. Você fornece. O outro adquire.

Você é o ator. O outro é o público.Você representa.

O outro observa.Você é a palavra. O outro é o microfone.Você fala.

O outro transmite.Você é o artista. O outro é o instrumento.Você toca.

O outro responde.Você é a paisagem. O outro é a objetiva.

Você surge. O outro fotografa.Você é o acontecimento. O outro é a notícia.

Você age. O outro conta.Auxilie quanto puder. Faça o bem, sem olhar a quem.

Você é o desejo de seguir para Deus.Mas, entre Deus e você, o próximo é a ponte.

O Criador atende às criaturas, através das criaturas.

É por isso que a oração é você, mas o seu merecimento está nos outros.

André Luiz(O Espírito da Verdade, 13, FEB)

sexta-feira, 30 de março de 2007


CRESCIMENTO


Era manhã de mais um dia de trabalho. Um dia que parecia ser igual a todos os outros dias - isso para quem adora criar monotonias em sua própria vida.

Os funcionários chegaram na empresa do mesmo jeito que chegavamtodos os dias, mas já na entrada algo os surpreendeu.

Encontraram um cartaz na portaria dizendo: "faleceu ontem a pessoa que impedia o crescimento da empresa. Você está convidado para o velóriona quadra de esportes."

No início todos se entristeceram com a morte de alguém, mas, depois de algum tempo, ficaram bastante curiosos em saber quem havia morrido.

Quem estava bloqueando o crescimento da empresa ?

A agitação na quadra de esportes era tão grande que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório.

Então, conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava: "quem será que estava atrapalhando o meu progresso ? " - diziam uns. "com certeza alguém envolvido em algum desvio de dinheiro !" - diziam outros.

"Ainda bem que este infeliz se foi !" - esbravejavam.

Assim, um a um, os funcionários agitados aproximavam-se do caixão, olhavam o defunto e engoliam em seco.

Ficavam em silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da al ma.

Pois bem, no visor do caixão havia um espelho... E cada um via a simesmo...

A lição da diretoria da empresa foi clara:

Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: você mesmo !

Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida.

Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida e, você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo.

Sua vida não muda quando seu chefe muda, quando sua empresa muda, quando seus pais, filhos, mudam: ela se modifica quando você mesmomuda.

Você é o único responsável por ela, e o único que prestará contas dela.

O ser humano ainda espera demais por soluções e acontecimentos exteriores. Confundimos fé, esperança, com inatividade e preguiça.

Confundimos pacifismo com passividade.

Confundimos justiça com vingança.

É tempo de acordar e perceber que estamos no comando de nossa própria embarcação, e decidimos através do livre-arbítrio, os rumos de nossa viagem pelos mares do crescimento, da evolução.

Decidimos se chegaremos logo aos destinos, ou se permaneceremos por muito tempo à deriva.

Decidimos se manteremos o olhar no horizonte, e os ouvidos encantados pelo som do mar, ou se nos deixaremos seduzir pelo canto perigoso das sereias destas distrações do caminho que buscam nos fazer afundar, vestindo-se com trajes belos apenas.

Somos nós que decidimos o momento de perdoar.

Somos nós que decidimos o momento de começar a amar.

O amor não nos escolhe... Nós escolhemos o amor.

CIÚME DESTRUIDOR


A vida de Ana se tornara muito ruim, desde o momento em que começou a desconfiar que Artur, seu marido, tinha outra mulher.

Ana olhava para ele e se sentia traída. Toda vez que Artur chegava atrasado do trabalho, mesmo que dissesse que fora o trânsito complicado ou uma reunião de última hora, ela pensava: "demorou por causa da outra.

De-vem ter se encontrado hoje. Por isso se atrasou."

A paz do lar ficou comprometida. Ele chegava cansado, ela estava mal humorada e procurava todos os motivos para reclamar.

Por vezes, ela surpreendia Artur dispersivo, distante. O pensamento longe.

Era o suficiente para pensar consigo mesma: "olhe só como está pensativo ! Aposto que está pensando nela."

Finalmente, um dia, ela resolveu seguir o marido para o surpreender.

Esperou-o na saída do trabalho. Ele pegou o carro, andou algumas quadras e parou na floricultura. Ela viu quando ele escolheu as maravilhosas flores e saiu carregando-as com carinho.

"Mau-caráter", pensou ela. "Gastando com outra."

Aquilo a deixou de tal forma desconsertada, que começou a chorar. Foi para casa e se jogou na cama. Chorou muito.

Pouco depois, ela ouviu a porta abrir e seu marido chegar. Escutou os passos dele na escada, subindo até o quarto do casal, onde ela estava.

Mal o viu adentrar o quarto, ela se sentou na cama, os olhos vermelhos de chorar, os cabelos em desalinho e desabafou:

"Eu vi tudo. Você não pode negar. Comprou flores para ela. Rosas vermelhas maravilhosas. Você me traiu. Traiu o nosso amor."

Alterada, ela se levantou e avançou na direção dele.

Para sua surpresa, verificou que ele trazia nas mãos o lindo ramalhetede rosas vermelhas. Um pouco chateado, estendendo o ramalhete para ela, ele falou: "Ana, hoje é dia do nosso aniversário de casamento. Você nem se lembrou ?"

O ciúme cria quadros exagerados, fomentando desconfiança. Atestado de de insegurança, destrói o relacionamento pelo clima de tensão que cria a todo momento. Cultivador da infelicidade, o ciúme altera a correta visão dos fatos, aumentando a importância de pequenos atrasos, desejos não atendidos, esquecimentos de datas e compromissos a dois.

Criando azedume, envenena a alma e desassossega o pensamento.

Colocando óculos escuros na visão mental, tudo faz parecer escuro,sombrio, devastador. Uma distração é tida à conta de desinteresse. O atraso para um encontro é considerado desrespeito.

Fora da realidade sempre, o ciúme provoca cenas desastrosas e desgastantes, em situações onde uma leve indagação ou uma conversa a dois, com toda a certeza, resolveria.

Nunca deixemos que o ciúme nos atormente. Ele é o responsável pela devastação de corações e de lares.

Se nos sentimos inseguros, fortifiquemos a relação a dois com diálogosmais profundos, com saídas para um passeio ao luar ou um final de semana a sós.

Se o outro estiver, verdadeiramente, permitindo que a relação esfrie, que o amor amorne, providenciemos o melhor para o estreitamento dos laços afetivos, guardando a certeza de que é nos pequenos gestos que a relação se torna mais forte, mais firme.

A PAZ QUE EU TRAGO EM MEU PEITO


A paz que trago hoje em meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia...

Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazero que se quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma decepção.

Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de algumas lições importantes que a vida nos oferece.

A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na fé...

Ter paz é ter a consciência tranqüila, é ter certeza de que se fez o melhor ou, pelo menos, tentou...

Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos momentos mais difíceis da vida.

Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que vêem e boca que diz palavras que constroem.

Ter paz é ter um coração que ama...

Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que em suas águase espreguiçam...

Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas.

Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se quer dizer... Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade...

É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho, agradecer...

Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas, as carências...

A paz que hoje trago em meu peito é a tranqüilidade de aceitar os outros como são, e a disposição para mudar as próprias imperfeições.

É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até comos insetos...

É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não possuo.

É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode sermudado e ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.

É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não brigar por ela.

A paz que hoje trago em meu peito é a confiança naquele que criou e governa o mundo...

A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas da vida, o que a elas tiver oferecido.

Às vezes, para manter a paz que hoje mora em teu peito, é preciso usar um poderoso aliado chamado silêncio. Lembra-te de usar o silêncio quando ouvir palavras infelizes.

A FORÇA DO AMOR


Eram noivos e se preparavam para o casamento, quando o pai da noiva descobriu que o rapaz era dado ao jogo. Decidiu se opor à realização do matrimônio, a pretexto de que o homem que se dá ao vício do jogo, jamais seria um bom marido. Contudo, a jovem obstinada decidiu se casar, assim mesmo. E conseguiu, fazendo valer a sua vontade, vencendo a resistência do pai. Nos primeiros dias de vida conjugal, o rapaz se portou como um marido ideal. Entretanto, com o passar dos dias, sentia crescer em si cada vez mais o desejo de voltar à mesa de jogo. Certa noite, incapaz de resistir, retornou ao convívio de seus antigos companheiros. Em casa, a jovem tomou um bordado e ficou aguardando. Embora ocupada com o trabalho manual, tinha os olhos presos ao relógio. As horas pareciam passar cada vez mais lentas. Já era alta madrugada, quando o marido chegou. Nem disfarçou a sua irritação, por surpreender a companheira ainda acordada. Logo imaginou que ela o esperava para censurar a sua conduta. Quando ele a interrogou sobre o que fazia àquela hora ela, com ternura e bondade na voz, disse que estava tão envolvida com seu bordado, que nem se dera conta da hora avançada. Sem dar maior importância à ocorrência, ela se foi deitar. No dia seguinte, quando ele retornou ainda mais tarde da casa de jogos, a encontrou outra vez a esperá-lo. "Outra vez acordada ?", perguntou ele quase colérico."Não quis que fosse se deitar, sem que antes fizesse um lanche. Preparei torradas, chá quentinho. Espero que você goste."E, sem perguntar ao marido onde estivera e o que fizera até aquela hora, a esposa o beijou carinhosamente e se recolheu ao leito. Na terceira noite, ela o esperou com um bolo delicioso, cuja receita lhe fora ensinada pela vizinha. Antes mesmo que o marido dissesse qualquer coisa, ela se prendeu aopescoço dele, abraçou-o e pediu que provasse da nova delícia. E assim, todas as madrugadas, a ocorrência se repetiu. O marido começou a se preocupar. Na mesa de jogo, tinha o pensamento menos preso às cartas do que à esposa, que o esperava, pacientemente, como um anjo da paz. Começou a experimentar uma sensação de vergonha, ao mesmo tempo de indiferença e quase repulsa por tudo quanto o rodeava. O que ele tinha em casa era uma mulher que o esperava, toda madrugada, para o abraçar, dar carinho. E ele, ali, naquele lugar ? Aos poucos, foi se tornando mais forte aquele incômodo. Finalmente, um dia, de olhar vago e distante, como se tivesse diante de si outro cenário, o rapaz se levantou de repente da mesa de jogo. Como se cedesse a um impulso quase automático, retirou-se, para nunca mais voltar.

Nos dias de hoje, é bem comum os casais optarem por se separar, atépor motivos motivos quase ingênuos. Poucas criaturas decidem lutar para harmonizar as diferenças, superaros problemas, em nome do amor, a fim de que a relação matrimonial se soli-difique. Contudo, quando o amor se expressa, todo o panorama se modifica. Édifícil a alma que resista às expressões do amor. Porque o amor traz a mensa-gem da plenificação, do bem estar, da alegria. Desta forma, é sempre salutar investir no amor, expressando-o atra-vés de gestos, pequenas atenções, gentilezas. O amor é o sentimento por excelência e tem a capacidade de trans-formar situações e pessoas.

Maria Mãe Santíssima

Maria Mãe Santíssima
Pedimos-Te a misericórdia. Pedimos-Te concessões de momentos mais férteis de amor, de paz, de compreensão entre as almas. Que Tu possas envolver cada Espírito, cada alma na Sua força, na Sua bondade, na Sua imensa misericórdia. Que, através das notas soantes da Ave Maria, possamos Te rogar a paz a estes Espíritos que aqui estão, o entendimento, a abnegação destas almas que se dispõem a se doar em benefícios, em atendimentos a tantos sofrimentos. Que a Tua imagem, Mãe Santíssima, possa surgir e evoluir diante de cada criatura, trazendo a mensuração certa de cada momento vivido e a intenção de uma recuperação a todos que sofrem e que estão aturdidos em corpo e em mente. Mãe amada, venha a nós em todos os instantes, participe conosco destes momentos que nos trazem angústias e sofrimentos. Auxilia, ampara, engrandece cada criatura, dentro das suas disposições eternas e colabora a cada dia, a cada instante, para que se tornem todos os Espíritos maleáveis no amor e na compreensão. Que possas, Mãe, estar conosco a todos os instantes. (Emmanuel)

Página no Facebook

SALMO 23

SALMO 23
.O Sєทнσr é σ мєυ ραsτσr, ทα∂α мє ƒαℓταrá. ∂єiταr-мє ƒαʑ єм vєr∂єs ραsτσs, gυiα-мє мαทsαмєทτє às ágυαs τrαทqυiℓαs; rєƒrigєrα α мiทнα αℓмα, gυiα-мє ρєℓαs vєrє∂αs ∂α נυsτiçα ρσr αмσr ∂σ sєυ ทσмє, αiท∂α qυє єυ αท∂αssє ρєℓσ vαℓє ∂α sσмвrα ∂α мσrτє ทãσ τємєriα мαℓ αℓgυм, ρσrqυє τυ єsτás cσмigσ, α τυα vαrα є σ τєυ cαנα∂σ мє cσทsσℓαм; ρrєραrαs υмα мєsα ρєrαทτє мiм ทα ρrєsєทçα ∂σs мєυs iทiмigσs, υทgєs α мiทнα cαвєçα cσм óℓєσ, σ мєυ cáℓicє τrαทsвσr∂α; cєrταмєทτє qυє α вσท∂α∂є є α мisєricór∂iα мє sєgυirãσ τσ∂σs σs ∂iαs ∂є мiทнα vi∂α, є нαвiταrєi ทα cαsα ∂σ sєทнσr ρσr ℓσทgσs ∂iαs. qυє αssiм sєנα..

VISITAS

web counter free